Oblatos de Maria Imaculada

Carta do Superior Geral à Congregação para o “Dia dos Oblatos” – 17 de fevereiro de 2019

Escrito em 14/02/2019
imprensa

Queridos irmãos Oblatos e todos os nossos irmãos e irmãs que vivem o carisma dos Oblatos, Festa feliz para todos! Celebramos o 193º aniversário da aprovação das nossas Constituições e Regras pelo Papa Leão XII. Seguindo nossa tradição oblata, agradecemos pela graça de nossa vocação. Esta é uma razão de gratidão e alegria.

Dentro de dias o Papa Francisco se reunirá com os presidentes das conferências episcopais nacionais para chegar a um compromisso e ação comum em nossa incapacidade de lidar casos honesta e misericordiosamente de abuso sexual de menores e adultos vulneráveis ​​e as tentativas demasiado frequentes negar e encobrir esta violência terrível.

Sua “Carta ao Povo de Deus”, de 20 de agosto de 2018, ressoa com um forte apelo a todos nós: “A magnitude e a gravidade dos acontecimentos exigem assumir este fato global e comunitariamente. Embora seja importante e necessário, em todos os sentidos de conversão, tomar conhecimento do que aconteceu, isso em si não é suficiente. Hoje somos desafiados como o povo de Deus a suportar a dor de nossos irmãos que estão quebrados em sua carne e em seu espírito. Se no passado a omissão poderia se tornar uma forma de resposta, hoje queremos que a solidariedade, entendida em seu sentido mais profundo e desafiador, torne-se nossa maneira de fazer a história presente e futura “(Carta do Papa Francisco ao Povo de Deus, 20 de agosto de 2018).

Em 2010 e novamente em 2016, a mais alta autoridade da Congregação, o Capítulo Geral, solicitou aos Superiores Maiores de todas as Unidades maior responsabilidade por ser responsável, transparente e ter um maior compromisso para que todos os lugares onde realizamos nossos ministérios e nossas residências, eles podem ser credenciados como ambientes seguros para crianças, jovens e adultos vulneráveis. Cada Unidade deve ter uma política proativa para que nossas paróquias, escolas, lugares de boas-vindas ou ministérios e comunidades Oblatas, estejam vigilantes para respeitar e manter a segurança daqueles que vêm a nós através do ministério. Parte desta política também deve conter os procedimentos a serem seguidos no caso de alguém denunciar um Oblato, um funcionário ou um voluntário de nossas casas ou locais de ministério. Em cada Unidade, a administração apropriada deve regular e revisar as práticas, estar familiarizada com elas e mantê-las atualizadas.

O recente documento do Sínodo sobre juventude, discernimento e vocação coloca a questão do abuso sexual numa perspectiva mais ampla. “Existem diferentes tipos de abuso: poder, economia, consciência, sexual. A necessidade de erradicar as formas de exercício de autoridade nas quais elas são enxertadas e contrabalançar a falta de responsabilidade e transparência é evidente.

com o qual muitos dos casos são gerenciados. O desejo de dominação, a falta de diálogo e transparência, as formas de vida dupla, o vazio espiritual, bem como as fragilidades psicológicas, são o terreno em que a corrupção prospera. (Documento final do Sínodo dos Bispos sobre Juventude, Fé e Discernimento Vocacional, nº 30). Reconhecemos que o clericalismo é uma forma extremamente destrutiva desse poder abusivo.

O Governo Central trabalhará conosco na próxima sessão plenária de abril / maio, um profissional no campo da prevenção de abusos. Precisamos crescer em nossa consciência da realidade do abuso sexual de menores e adultos vulneráveis ​​e aprender como encorajar um maior compromisso por parte de toda a congregação para criar ambientes seguros. Em julho, a reunião Intercapitular, um dia inteiro também será dedicado a esta questão, para ajudar a todos os líderes da congregação para compreender e ser mais comprometidos com abordar a questão crítica de salvaguarda crianças e adultos vulneráveis ​​em toda a nossa casas e em qualquer lugar que fazemos ministério.

Embora esta questão não pode ser muito festivo para entreter-nos na nossa férias, eu acho que está no centro da conversão e chamar para ser santo para St. Eugene nos pede em seu Prefácio, 1825. Ele era um missionário da misericórdia que O coração era apaixonado pela dignidade dos pobres e vulneráveis. Ele exigiria que lutássemos ao máximo para fazer o melhor possível para criar ambientes seguros para todos os que vierem nos encontrar.

Jesus acolheu as crianças, tocou-as e abençoou-as com tanto amor e liberdade (Mc 10,16). Que esta atitude bela e terna entre agentes e crianças pastorais seja saudável e protegida por nossa integridade e comportamento responsável. Rezamos a Maria Imaculada para que nos ajude a “enfrentar a dor de nossos irmãos que estão quebrantados em sua carne e em seu espírito” (Carta do Papa Francisco).

Feliz dia de Festa !

Seu irmão Oblato em Jesus Cristo e Maria Imaculada

Pe. Louis Lougen, OMI – Superior Geral